webJudaica.Com.Br
Seu portal Judaico na Internet
11/Dec/2017
Kislev 23, 5778

Sign in with Facebook

Religião Judaica

Kashrut

Leis Alimentares - Introdução

Um dos grandes erros conceituais amplamente difundidos é que as leis alimentares judaicas (leis de kashrut) foram instituídas por motivos de saúde.

A Bíblia - Levítico 11:44-45 - explica a razão da imposição das dietas alimentares de maneira simples e direta: "Pois eu sou o Senhor seu D'us, e vos sereis santificados, pois eu sou santo... Porque eu sou o Senhor que os tirou da terra do Egito para ser seu D'us. Vocês devem portanto, serem santificados."

Ao longo dos séculos muitos indivíduos tentaram justificar de maneira lógica e prática o motivo da instituição destas leis, sugerindo que alguns tipos de carne eram mais propícios para a transmissão de doenças, ou pois eram menos saudáveis.

Se os Judeus tiveram benefícios em sua saúde por observarem a kashrut, (como menor incidência de certas doenças como a tricnose, que é contraída através da ingestão de carne de porco), eles foram totalmente inesperados. Estudos mostram que a qualidade de vida dos Judeus não é afetada pela observância das leis alimentares, nem que a saúde é melhorada.
Os rabinos do período talmúdico, e de períodos posteriores se satisfizeram em não procurar motivos mais diferentes do que aquele expresso na Bíblia. Estas leis foram classificadas como chukim - estatutos mandatórios - que devem ser obedecidos mesmo quando a razão para sua observância está além do entendimento humano.

Apesar do desejo do Judeu observante de aceitar a lei sem questioná-la, a propensão a questionamentos persiste. E destes questionamentos, surgiram respostas fascinantes.

Maiomônides, procurando justificar a razão das leis da kashrut, conclui que elas "nos treinam a controlar nosso apetite, a acostumarnos a administrar nossos desejos, e evitar que o prazer de comer e beber se transformem no objetivo da existência humana."

Rabinos mais recentes acreditavam que as leis alimentares serviam para acentuar as diferenças entre o modo de vida judaica e o resto da sociedade, fazendo com que os valores sagrados do judaísmo fossem mantidos e evitando a assimilação.